Teste de paternidade tornou-se o meio padrão de determinar se um suposto pai é o pai biológico de uma criança. No entanto, as coisas se tornam um pouco mais complexa quando o pai é falecido, mesmo sendo ainda possível realizar um teste de paternidade.

Como é feito um teste de paternidade quando o suposto pai está vivo?

Em resumo, teste de paternidade é muito simples (a partir de uma perspectiva não científica). Tudo o que é necessário é uma amostra de DNA do suposto pai e do filho ou filhos. Os laboratórios irão extrair perfis de DNA do pai e da criança e determinar se eles compartilham os mesmos marcadores genéticos, se sim, então o pai testado será incluído como o verdadeiro pai biológico. Amostras de DNA são simplesmente coletadas por meio de um cotonete oral (swab), que é esfregado no interior da boca para coletagem pelas células da bochecha a saliva da pessoa testada.

Como faço para coletar o DNA, se o pai está morto?

Se o suposto pai morreu, fazer um teste de paternidade não é particularmente complicado e há uma série de alternativas para o cotonete oral ser utilizado, sendo impossível de se usar quando no alegado morto. Uma das maneiras mais fáceis de determinar a paternidade é através de um teste de parentesco envolvendo parentes do pai. Tipicamente, um irmão ou irmã terá similaridade genética, bem como os avós. Dependendo do sexo das pessoas envolvidas, se eles estiverem dispostos a serem testados há uma série de outros testes de relacionamento que podem ser realizados.

Teste de paternidade com pai morto requer atenção entre três possibilidades distintas

Se o suposto pai acabou de falecer em um curto período até a realização dos testes, então é possível coletar amostras. O tempo recomendado não é mais do que 7 dias. Recortes de unha são boas fonte de DNA, e fios de cabelo também são muito úteis, embora seja importante ter a raiz do cabelo ou folículo anexado e um número mínimo de fios de cabelo fornecido.

A melhor opção nos casos em que o pai foi enterrado é a utilização de DNA através de uma escova de dentes, um pente, um lenço de papel usado e uma série de outras amostras que poderiam ser utilizadas. Estas amostras não são todas igualmente boas e, além disso, deve-se levar em consideração quanto tempo de existência das amostras e em que condições foram armazenadas.

A última opção e mais complexa é um teste de paternidade por exumação do cadáver do suposto pai. Tal prova não é tão simples como os outros dois e precisará de determinados meios legais para a realização. Em certos países testes de DNA em um cadáver exumado é muito difícil e por outro lado, os custos decorrentes são muito elevados. No entanto, uma vez que o cadáver é exumado, um número de amostras podem ser retiradas a partir de partes do falecido incluindo como ossos ou dentes.

Teste de paternidade de um pai morto não é completamente difícil, dependendo das amostras e do tempo decorrido desde sua morte, o teste é perfeitamente possível. Testes de paternidade são precisos e confiáveis sendo o único meio de esclarecer totalmente as dúvidas.