Hoje é possível realizar teste pré-natal de paternidade apenas com amostras de sangue da mãe e dos pais alegados. A consciência da possibilidade deste teste é científica, mas o teste não invasivo ainda não é prática comum generalizada apesar de confiável, e em geral, as pessoas estão mais familiarizadas com os procedimentos invasivos de pré-natal e testes de paternidade em métodos invasivos como da amniocentese e a biópsia de vilo corial.

Então, qual a questão para a amniocentese e biópsia de vilo coriônico?

A grande questão com os testes de biópsia de vilo corial e amniocentese é o fato  deles serem invasivos. Era impossível até alguns anos atrás acessar o DNA do feto sem realmente entrar no ventre, este era o jeito mais conhecido sendo utilizado por anos.

Demorou cerca de 30 anos para que os cientistas começassem a suspeitar da presença de DNA fetal na corrente sanguínia materna. Eles, porém, assim que descoberto, imediatamente trabalharam no desafio. As quantidades de DNA fetal no fluxo de sangue materno encontrados foram tão pequenas que era muito difícil de analisá-los com métodos como DNA de ensaio e técnicas disponíveis naquela época.

Foi assim durante anos, era normal se submeter a uma biópsia de vilo corial ou âmnio para amostragem e determinar a paternidade durante a gravidez, uma vez que estes dois únicos métodos eram os disponíveis para provar o DNA fetal. Ao entrar no útero e extrair amostras de líquido amniótico ou vilosidades coriônicas, os cientistas poderiam então passar a fazer um teste de paternidade. Ambos os tipos de amostra são extremamente ricos em DNA fetal e a paternidade pode ser determinada conclusivamente com estas amostras. Porém estes procedimentos possuem certos riscos. Os riscos têm diminuído ao longo dos anos devido as melhorias nos padrões de saúde e tecnologia, mas o risco de hemorragia e aborto ainda são associados a estes métodos de amostragem de DNA fetal.

Deve ser dito que a amniocentese e biópsia de vilo corial são ainda importantes exames pré-natais, que são muitas vezes feito para verificar se a criança está se desenvolvendo de forma saudável e para confirmar os casos suspeitos de deficiência que testes de gravidez podem ter indicado.

Testes de DNA não invasivo e pré-natal de paternidade

Teste de paternidade pré-natal não invasivo é uma técnica altamente científica para a determinação de paternidade, sendo seguro e livre de qualquer risco. O teste é feito utilizando uma amostra de sangue da gestante e dos pais alegados. Talvez não seja difícil imaginar por que o DNA fetal é encontrado no sangue materno, devemos lembrar que a mãe fornece oxigênio e nutrientes para o bebê através de seu próprio sangue e do sangue fetal, acontecendo que o sangue materno entra em contacto uns com os outros. Devido a isso, o DNA fetal pode ser encontrado no sangue materno em qualquer forma nucleada (isto significa que o DNA fetal continua inserido nas células) ou livre das células de DNA (neste caso, o DNA fetal está livre da célula). Este teste pré-natal não é menos preciso do que teste de paternidade feito por âmnio ou biópsia de vilo corial. Teste de paternidade pré-natal não invasivo é, aliás, muito mais fácil, mais rápido e seguro.